Quatro defesas promissores que o futebol português deixou escapar


A selecção nacional de Sub-21 confirmou diante da Holanda que há uma nova fornada de jogadores com potencial para chegar ao topo do futebol mundial e para renovar a equipa A das quinas. 

No entanto, a dificuldade das esperanças do futebol português encontrarem espaço nas principais equipas nacionais fez com que mais de uma dúzia dos jogadores chamados por Rui Jorge na qualificação para o Euro Sub-21 tivessem de ir para o estrangeiro para desenvolverem o seu futebol. Neste post, vamos concentrar-nos nos jovens defesas que rodam em relvados internacionais:

Rúben Vezo, central formado em Setúbal, cumpre a segunda temporada no Valência. Apesar das boas exibições no Vitória de Setúbal, Vezo escapou aos três grandes do futebol (que, em abono da verdade, poderiam estar melhor servidos de centrais no plantel). Em Espanha, começa a ser uma das pedras de Nuno Espírito Santo no Valência. Esta época leva já quatro jogos a titular na equipa que está a surpreender a crítica espanhola. 

Tiago Ilori, que deu os primeiros toques na bola no Imortal de Albufeira, é outro dos exemplos de centrais promissores que o futebol português deixou escapar. Ilori fez a formação na Academia do Sporting e a vertente formadora dos verde-e-brancos foi compensada com 7,5 milhões de euros pagos pelo Liverpool. Mas o jovem central talvez tenha abandonado o futebol português demasiado cedo. Nunca jogou em Anfield e roda de empréstimos em empréstimos. Esta época tem lutado pela titularidade no Bordéus, depois de na temporada passada ter passado pelo Granada. 

Luís Martins, vice-campeão do Mundo de Sub-20 em 2011, também teve de sair de Portugal para se tentar afirmar. O lateral-esquerdo formado nas escolas do Benfica não foi aproveitado pelos encarnados (que ao longo dos últimos anos tiveram várias experiências falhadas no lado esquerdo da defesa). Mas conseguiu acumular alguma experiência no Gil Vicente nas duas últimas temporadas. Esta época tenta a sua sorte no futebol espanhol ao serviço do Granada. Mas sem grande sucesso até ao momento. Leva apenas 14 minutos jogados na liga. Entrou na equipa no jogo contra o Barça, quando o Granada perdia já por 5-0.

Edgar Ié tem no currículo a passagem por duas das escolas de futebol mais conceituadas do mundo. O defesa, que tanto pode jogar a central como a lateral direito, evolui na equipa B do Barcelona. Isto depois de ter feito a formação na Academia de Alcochete. O jogador, que deu os primeiros pontapés nos iniciados do União Bissau, acabou por não chegar à formação principal do Sporting. Cumpre a terceira época na equipa B dos catalães.

Na equipa de Rui Jorge, outro defesa que tem impressionado é o lateral-esquerdo Raphael Guerreiro. No entanto, o jogador nascido em França nunca passou pelos relvados portugueses. Formou-se nas escolas do Caen e é agora uma das principais figuras do Lorient, que ocupa o 14.º posto da liga francesa.




Share on Google Plus

0 comentários:

Com tecnologia do Blogger.