O dragão que fez um póquer ao Benfica

Não é qualquer jogador que consegue fazer um póquer na carreira. E contra o Benfica, a tarefa afigura-se quase impossível. Mas em Janeiro de 1971, houve um miúdo de 20 anos, chamado António Lemos, que conseguiu marcar quatro aos encarnados nas Antas. O feito valeu-lhe a atenção de escritores, como o letrista Carlos Tê. Valeu-lhe a alcunha de 4L (numa alusão ao popular carro da Renault) e de Fuzilador do Zé Gato (o guardião encarnado que teve a infelicidade de lidar com Lemos). E valeu-lhe ainda prémios de jogo tão insólitos como tintas, electrodomésticos e mobílias

Antes do jogo nas Antas, o 4L da frente de ataque dos azuis e brancos já havia feito dois golos na Luz na primeira volta. Mas, apesar do feito de Lemos (além dele, apenas o sportinguista Manuel Fernandes e Klinsmann o conseguiram), o avançado não conquistou qualquer título durante a sua carreira.

Lemos foi descoberto pelo Porto em Angola, com o clube do Norte a levá-lo para as camadas jovens. Para ganhar experiência, os da Antas emprestaram-no ao Boavista em 68, altura em que o clube do Bessa andava pela II Divisão. Foi o melhor marcador da competição e ajudou os axadrezados a regressar à I Divisão. As boas prestações abriram-lhe as portas da equipa principal dos dragões em 1970. E logo na época de estreia conseguiu fazer os tais seis golos ao Benfica. Mas nunca mais viveu uma temporada tão produtiva.

A carreira do avançado promissor foi interrompida em  1973. Apesar da veia goleadora, Lemos não conseguiu o estatuto de atleta de alta competição que o livraria de ir para a Guerra do Ultramar. Apesar de estar inicialmente destacado para a frente de combate em Cabo Verde (uma das menos violentas da Guerra Colonial), acabaria na Guiné, onde se travaram as batalhas mais violentas.

Após a guerra, só jogou mais uma temporada no Porto. Passou depois pelo Marítimo, Académico de Viseu, Vila Real e no Infesta, onde terminou a carreira aos 32 anos. Mas regressando ao jogo de uma vida feito por Lemos, onde o Porto venceu por 4-0, tal não foi suficiente para que os dragões fizessem melhor que um terceiro lugar no campeonato. Apesar da goleada, o título acabaria por sorrir aos encarnados.
Share on Google Plus

1 comentário:

  1. Nesse tempo os árbitros eram maravilhosamente honestos. Eram só Capelas e Lucilios.

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.