De dispensado no Porto a titular da Selecção

Já é uma história tradicional no futebol português. Forma-se um jogador. Não se dá tempo para que ele se integre no plantel principal e depois o atleta anda de empréstimo em empréstimo sem pouso nem estratégia para a sua evolução. De quando em vez, lá conseguem relançar a carreira.

Um dos exemplos é Vieirinha. O extremo de 27 anos teve hoje a sua estreia a titular na Selecção e arrancou uma boa exibição, tendo sido um dos melhores em campo na vitória por 2-0 frente ao Azerbaijão. Mas o percurso para chegar à equipa das quinas e para servir como alternativa, em caso de necessidade, a Cristiano Ronaldo esteve longe de ser fácil. E teve uma ajuda preciosa: Fernando Santos.

Apesar de Vieirinha ter sido um habitué nas selecções jovens, tendo mesmo sido uma das estrelas da selecçao de sub-17 que venceu o Europeu de 2003, não se conseguiu impor no Porto. Os azuis e brancos foram buscá-lo às escolas do Vitória de Guimarães. O extremo jogou nas camadas jovens do Porto, no Porto B, mas depois andou em empréstimos pelo Marco, o Leixões e os gregos do PAOK.

No Dragão, o internacional apenas integrou o plantel principal em 2006/2007. E com muito poucas oportunidades. Fez um jogo a titular e saiu do banco de suplentes por sete vezes. Ainda assim, foi suficiente para ter o título de campeão nacional no currículo.

De empréstimo em empréstimo, Vieirinha lá conseguiu encontrar a estabilidade necessária no PAOK de Fernando Santos. Após uma época cedido por empréstimo, os gregos compraram o passe do extremo por um milhão de euros. Apesar de ter sofrido uma grave lesão, nos três anos e meio que passou no PAOK tornou-se a estrela da equipa. Foi mesmo considerado o jogador mais valioso da liga grega. No total, em mais de 100 jogos pela equipa marcou 28 golos e fez 21 assistências.

Com a estabilidade veio a rentabilidade. Os gregos multiplicaram o seu investimento em Vierinha por quatro, quando o venderam em Janeiro de 2011 para os alemães do Wolfsburgo por quatro milhões de euros. Na primeira temporada, Vierinha não era uma das primeiras opções da equipa, mas esta temporada o extremo está a impor-se no onze de Dieter Hecking. Leva 21 jogos na competição, seis a titular. Tem uma cláusula de rescisão de 30 milhões. Apesar de estar a cimentar a sua presença no Wolfsburgo, ainda está longe da influência que um outro ex-portista tem na equipa. Diego continua a ser o motor do Wolfsburgo. E que jeito estes dois jogadores dariam ao Porto esta época...


Share on Google Plus
Com tecnologia do Blogger.